Publicada em 23 de março de 2020 às 3h39

SESI dá orientações de ergonomia para o home office

Em época de coronavírus e Covid-19, ficar em home office, quando você transfere para casa suas atividades profissionais, requer do trabalhador mais que disciplina e organização, como orienta a fisioterapeuta do Trabalho e ergonomista do SESI Saúde, Dália Diniz. Manter a ergonomia em casa, diz ela, vai trazer mais produtividade e melhorar a qualidade de vida.

Para amenizar possíveis desconfortos, a especialista explica que é necessário ter cuidados redobrados não só na postura corporal, mas no ambiente onde a atividade será desenvolvida. De acordo com Dália Diniz, algumas práticas podem garantir tanto a saúde física quanto a segurança do trabalhador, descartando qualquer problema futuro.

“É importante verificar alguns itens como: escolher o local adequado para trabalhar, com privacidade e sem distrações, com ventilação e iluminação apropriadas (artificial e natural), além de selecionar os móveis e equipamentos mais adequados para as atividades diárias, optando por uma mesa ou bancada que acomode suas pernas e lhe proporcione espaço suficiente para colocar o teclado, mouse e apoiar os braços”, disse ela.

Dália acrescentou também que é preciso cuidado com a altura do notebook, por exemplo. Se possível, a especialista indica a utilização de suporte ergonômico, podendo ser feita a adaptação com livros empilhados ou alguma caixa, de forma que a postura fique adequada, alinhando a tela na altura da cabeça e evitando sobrecarga na região do pescoço.

“Um dos principais erros cometidos pelas pessoas ao trabalhar em casa é optar por trabalhar mais relaxado, o que pode gerar desconfortos e dores durante a atividade. É importante escolher uma cadeira com altura, assento e encosto confortáveis. Ajuda também na prática se trocar o pijama por roupas mais formais, caso precise participar de uma videoconferência”, relatou Diniz, ao explicar que a prática ajuda a manter a confiança e evita o desânimo que pode ocorrer pela imposição do isolamento.

Os cuidados, segundo a especialista, vão além do ambiente e dos móveis em si. É necessário, também, atenção à saúde, para que exista no decorrer das atividades, por exemplo, alguns intervalos,  alongamento das pernas e coluna, caminhada, ingestão de água e alimentação adequada.

“Por ser em casa e fora da rotina do trabalho regular, é comum que não exista um horário certo para refeições e pausas, mas é preciso que se adeque a essa nova realidade e façam as refeições no seu horário habitual, mantendo a ingestão de alimentos saudáveis inserindo frutas e verduras, o que poderá contribuir diretamente na sua imunidade”, ressaltou ela, ao reforçar a ingestão indispensável de água ao longo do dia.

Comente esta notícia
Pular para a barra de ferramentas