Publicada em 1 de março de 2020 às 1h25

Festival SESI de Robótica tem representantes do Amazonas

Com desafios e criações que vão de cidades do futuro a escuderias de Fórmula 1, três equipes das Escolas SESI do Amazonas participam nos próximos dias 6, 7 e 8 de março do Festival SESI de Robótica, em São Paulo (SP), no Pavilhão da Bienal, localizado no Parque Ibirapuera. As equipes do SESI Amazonas participantes são de Parintins, Itacoatiara e Manaus.

No Festival, equipes de jovens estudantes de todo o Brasil vão competir nas modalidades First Lego League (FLL), First Tech Challenge (FTC), F1 in Schools e First Robotic Competitions (FRC). O Festival este ano reunirá 100 equipes selecionadas nas etapas regionais dos Torneios SESI de Robótica. A disputa no Festival classifica equipes que representarão o Brasil no torneio mundial, ainda este ano, nos Estados Unidos, nas diferentes competições.

Com a temática City Shaper 2019/2020 (Cidades Inteligentes) na competição FLL, alunos de 9 a 16 anos, são estimulados a criar soluções inovadoras para questões relacionadas ao meio ambiente, mobilidade, acessibilidade, desastres naturais, entre outros problemas relacionados às cidades. Com equipes de dois a 10 integrantes, os alunos são avaliados em uma série de missões que envolvem Design do Robô, Desafio do Robô, Core Values (valores da equipe) e Projeto de Inovação.

O SESI Amazonas será representado nessa competição pela equipe Lego Master, da Escola SESI Padre Francisco Luppino, do município de Parintins. Formada por dez alunos do 4º, 5º e 6º ano, a equipe desenvolveu um projeto voltado para revitalização sustentável da Praça Eduardo Ribeiro, localizada no centro do município. A ideia é criar um modelo de praça a partir da preocupação com o meio ambiente, a utilização de telhados ecológicos, madeira reaproveitada, teto solar e tintas com base vegetal.

Pelo segundo ano consecutivo, a equipe está entre as cinco melhores da região Norte selecionadas para o nacional. Junto com a Lego Master estarão embarcando para FLL, em SP, as equipes: Elev3r do SESI Centro Educacional Isolina Ruttmann (Vilhena-RO); World Doctors, do Instituto Federal do Amazonas-Ifam (Manaus-AM) e a equipe I’Robot, do Centro de Ciência, Tecnologia e Inovação – CCTI (Boa Vista-RR).

Da escuderia de Fórmula 1 ao Caderno de Engenharia

As competições estreantes na temporada passada, FTC e F1 in Schools, terão novamente equipes das Escolas SESI representando o Amazonas e a região Norte. O trabalho com desafios reais da engenharia civil nas grandes cidades faz parte das missões da temporada Skystone (Arranha-céus) da First Tech Challenge (FTC). As equipes, que podem ter até 15 participantes, desenvolvem robôs autônomos e cumprem missões no canteiro de obras, transportando materiais e construindo arranha-céus.

Como parte central do torneio, os alunos descrevem todas as atividades e estratégias em um grande diário de bordo conhecido como “Caderno de Engenharia”, onde é narrada a trajetória da equipe ao longo de toda a temporada. Dividido em sessões de Engenharia, Plano de Negócios e Descrição da Equipe, a ideia é nortear os juízes da temporada sobre os desafios individuais e coletivos, estratégias, programação do robô e as ações sociais feitas pelos alunos ao longo da temporada.

No Amazonas, a única equipe representante é da Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa, a Team Prodixy. Formada por sete alunos do 2º e 3º ano do ensino médio, a equipe conquistou logo na estreia dessa competição no Brasil, no ano passado, o “Prêmio Conexão” por ser considerada pelos juízes a mais conectada com as metodologias Steam (Ciência, Tecnologia, Artes e Matemática), que permeiam a construção dos desafios.

Nessa edição do Festival de Robótica em SP, o SESI Amazonas terá também a participação da equipe Apuema Korê, da Escola SESI Abrahão Sabbá, do município de Itacoatiara, na competição F1 in Schools. Com primeira edição no ano passado o torneio envolve a criação de uma escuderia de Fórmula 1 que é analisada como se fosse uma microempresa.

Na competição os alunos precisam projetar, modelar e testar o protótipo de um carro de F1, além de desenvolver e pensar em marketing, patrocínio, plano de negócios e estratégias em mídias sociais. Na estreia do torneio, com a participação da equipe Libélula formada também por alunos da Escola SESI de Itacoatiara, a equipe chegou até a semifinal e conquistou o prêmio nacional da competição na categoria “Pensamento Criativo”, pelo diferencial durante todo o projeto e criações.

Comente esta notícia
Pular para a barra de ferramentas