Publicada em 17 de junho de 2019 às 10h54

SESI oferece atendimento odontológico em casa

Pacientes sem condições físicas ou mentais para se deslocar até um consultório odontológico agora podem contar com o atendimento personalizado do Serviço Social da Indústria (SESI) por meio da Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais (OPNE) “Home Care” (cuidados em casa). Procedimentos como limpeza, raspagem, restauração e extração dentária podem ser feitos em casa pela equipe do SESI.

A boca é a porta de entrada para diversas bactérias, de acordo com o dentista especialista em pacientes especiais do SESI, José Roberto Brandão. Pacientes acamados tendem a ter baixa imunidade e, por isso, são mais propensos a infecções mesmo estando em casa. O cuidado com a saúde oral, segundo ele, precisa ser mantido para evitar o abcesso dentário e as cáries.

“Se você tem um paciente especial na verdade você tem uma família especial, porque geralmente tudo gira em torno desse paciente, não é só ele, você tem todo um contexto que precisa ser levado em conta. Então deixa de ser uma comodidade o atendimento em casa e vira uma necessidade, porque esse paciente precisa receber um atendimento que ele não consegue fora daquele espaço”, disse Brandão.

Os atendimentos Home Care do SESI são feitos a partir de uma avaliação inicial na casa do paciente onde é levado em consideração o quadro clínico e as demandas necessárias para realizar os serviços. Em um segundo momento, a equipe do SESI retorna para realizar o atendimento com a cadeira odontológica portátil, que é similar à cadeira convencional do consultório, com todas as saídas, sendo apta para fazer todos os tipos de procedimentos.

“A principal diferença desses atendimentos em domicílio é que, no consultório, o paciente se adapta à ergonomia do ambiente. No consultório, por mais que exista a cadeira especial, se for um paciente acamado, a sua necessidade é que vai determinar a ergonomia. Nesse caso, o que a odontologia preconiza é que a ergonomia seja determinada pelo profissional”, disse o especialista.

A aposentada Elidete Rodrigues da Silva, 62, sempre acompanhou a irmã, Eliana, 61, nos exames preventivos de odontologia no SESI Saúde. Diagnosticada com Alzheimer e doença de Pick, uma doença degenerativa caracterizada pelo comprometimento dos lobos frontais e temporais do cérebro, Eliana hoje está acamada e recebe acompanhamento odontológico pelo Home Care do SESI.

“Lembro que levava minha irmã na cadeira de rodas e era um sacrifício todos as vezes que saíamos, porque do quarto, em casa, até o carro tem muitas subidas e degraus. Com o tempo isso foi se tornando cada vez mais difícil e inviável até para a saúde dela” disse Silva.

Com os exames odontológicos em casa pelo SESI, Elidete consegue dar andamento nos cuidados bucais da irmã periodicamente. “A Eliana sempre foi muito assídua nos exames odontológicos, hoje ela não fala e tem dificuldade de deglutição, além do que, com a medicação os dentes acabaram ficando enfraquecidos, por isso procuramos o SESI para dar continuidade nesse atendimento dela em casa e tem sido primordial para a saúde dela como um todo”, explicou ela.

A continuidade dos cuidados é feita pela irmã diariamente em casa. Segundo Elidete, a higienização segue as orientações deixadas a cada consulta em casa pelo dentista de OPNE do SESI. Para o especialista do SESI, faz parte também do tratamento as orientações junto à pessoa que acompanha esse paciente. “Porque é diferente você escovar o seu próprio dente e fazer isso em outra pessoa, sem contar que a continuidade dos cuidados é essencial para manutenção da saúde bucal”, ressaltou o dentista e especialista em OPNE do SESI, José Brandão.

 

Atendimento Personalizado

O SESI realiza atendimento OPNE também no SESI Saúde, na av. Getúlio Vargas, 1116 – Centro. E não só para pacientes sindrômicos, mas também gestantes, diabéticos, deficientes físicos e hipertensos, que recebem esse atendimento mais personalizado. Para Brandão, não é necessário que se tenha uma patologia ou doença para se receber esse atendimento, sendo levado em consideração o estado em que se encontra o paciente.

De acordo com Brandão, foi criado um estigma de que para o atendimento OPNE necessariamente precisa ser uma pessoa com síndrome de down ou autista. “Hipertenso, diabético ou uma pessoa com ponte de safena, por exemplo, também precisa de atendimento personalizado para que seja traçado um perfil e avaliada a necessidade do uso do anestésico adequado para aquela condição”, completou ele.

O atendimento da OPNE, segundo Brandão, é previsibilidade. Com o perfil traçado antes de cada consulta, o médico já está preparado para o que pode acontecer durante o procedimento, sendo essa avaliação, por vezes, mais demorada do que o próprio atendimento em si. “A pior coisa para um paciente é a surpresa. Um paciente com ponte de safena, por exemplo, toma remédio para ‘afinar’ o sangue, e se eu não tomar esse cuidado prévio, na hora de extrair um dente, ele pode sangrar mais do que o normal ou pode até infartar, então isso tudo eu preciso traçar antes do procedimento”, explicou.

A Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais (OPNE) no SESI acontece de forma agendada, de segunda a sexta-feira, das 7h às 20h30 e no sábado 7h às 10h25. Interessados neste atendimento Home Care podem agendar e marcar de forma presencial a avaliação e consulta no SESI Saúde, av. Getúlio Vargas, 1116 – Centro. Para mais informações ligue (92) 3186-6610/ 6611/ 6538.

Comente esta notícia
Pular para a barra de ferramentas