Publicada em 30 de janeiro de 2018 às 11h10

Creche do SESI faz ‘volta às aulas com alegria’

A Rede SESI Amazonas de Educação deu início ao ano letivo 2018, nesta segunda-feira (29), com a volta às aulas das Escolas SESI “Dr. Francisco Garcia”, no Distrito Industrial, e “Emina Barbosa Mustafa”, no bairro São José. Com as escolas dos municípios de Itacoatiara, Iranduba e Parintins, que retomam suas atividades no dia 5 de fevereiro, a Rede deve começar o ano com cerca de 3,5 mil alunos matriculados.

Na Creche SESI, que integra a escola do Distrito Industrial, o primeiro dia, sempre cheio de emoção, foi marcado por muita alegria na chegada e muito choro na saída, principalmente dos pais no momento da separação. Considerada uma das maiores e mais bem equipadas do Brasil, a creche do Serviço Social da Indústria, no Amazonas, recebe, em sua maioria, filhos e outros dependentes de trabalhadores do Polo Industrial de Manaus (PIM), além de crianças da comunidade.

Gabriel Azevedo, 2, é acolhido pela equipe pedagógica do SESI em seu 1º dia de aula

Como acontece há quase dez anos, o SESI recebeu os alunos, nesta segunda-feira, com o projeto “Acolhendo com Alegria – um novo jeito de olhar a criança”, que proporciona aos filhos e pais um ambiente de tranquilidade, seguro e acolhedor, minimizando as dificuldades e os impactos da adaptação na escola, pelo menos nas três primeiras semanas, conforme a gerente da Escola, Maria Acilda Santos.

Para as crianças da creche, filhas dos trabalhadores do PIM, a jornada começa muito cedo, principalmente para aquelas que pegam as rotas das empresas, como é o caso de Gabriel, 2 anos, que veio acompanhado do pai, o operador de linha da Samsung, Giovanni Azevedo, 27 anos. Ele pega a condução às 5h30, no bairro Cidade de Deus, na zona Leste, para chegar às 6h na empresa, junto com outros trabalhadores e seus filhos, no Distrito Industrial, zona Sul.  De lá, a criança segue, agora acompanhada de monitores da própria empresa, até a escola, onde chega normalmente às 6h30. “É a primeira vez que meu filho vem à escola, e não podia deixar de acompanhar esse percurso para dar uma força a ele. Espero que o SESI cuide bem do meu filho”, disse Giovani ao deixar o filho na escola.

Para muitos pais que vivem essa mesma rotina, há uma preocupação muito grande quanto à maneira como suas crianças estão sendo tratadas pelos transportadores e monitores no percurso casa-empresa-escola. A responsabilidade é grande, como atesta o motorista Jiliony Muniz, 32 anos, que transporta os filhos dos trabalhadores da empresa Siemens há pelo menos três anos.

Jiliony Muniz, há três anos transporta os filhos dos industriários da Siemens, com responsabilidade e amor pela profissão

“Transportar essas crianças é uma felicidade diária, mas tem que gostar, e eu gosto muito” disse Jiliony, que faz o primeiro contato com os pais e crianças, todos os dias, a partir das 5h15 da manhã, horário em que muitas delas vêm dormindo, e seguem assim até chegar à escola, o que não ocorre normalmente na volta, quando estão mais agitadas e exigem mais atenção, o que para ele já é normal.

Nesse processo de adaptação muitos se sentem acolhidos pela escola, em seu primeiro dia, como o bebê Ana Elisa, de 1 ano e 4 meses, que se adaptou rápido causando surpresa nos pais de primeira viagem, Pedro Pontes, 35, chefe de intendência da Marinha do Brasil, e a advogada Patrícia, 34.

“Pesquisamos muito para encontrar uma escola em que nos sentíssemos seguros para deixar nossa filha. Por conta das referências decidimos conhecer a Creche do SESI e nos encantamos com a estrutura e os profissionais”, ressalta Patrícia, que fez questão de mostrar a escola para a filha antes do início das atividades como uma espécie de apresentação para facilitar na sua adaptação.

Marinha também marca presença nas escolas SESI, o capitão Pedro Pontes acompanha sua filha Ana Elisa, de 1 ano e 4 meses.

Na escola, o tratamento é sempre especial para todos, não apenas para os pequenos, mas também para os pais, que muitas vezes precisam de uma atenção individualizada, como é o caso de Rafaela Figueiredo, 25, mãe de Eliza, 1 ano e 6 meses, pela primeira vez no SESI, que precisou acalmar o coração, nesse processo de adaptação da filha na creche.

“O ambiente é pensado para o desenvolvimento da criança, preparado com muito amor e carinho e com profissionais especializados para atender aos filhos e principalmente aos pais, que ficam aflitos ao deixar seus pequenos”, frisou a psicóloga da Creche SESI, Déborah Moreira.

De acordo com a pedagoga do maternal III da Escola Dr. Francisco Garcia, Jezidalva Gama, diferente dos outros anos, o SESI iniciou mais cedo o acolhimento diferenciado para os pais e crianças, tendo nesse primeiro dia um espaço especial para atender aos pais nesse processo de adaptação, no qual possibilitou conhecer mais as necessidades deles e das crianças, que em grande parte do tempo ficarão aos cuidados do SESI.

No “acolhimento com alegria”, a equipe de profissionais da Escola, formada por professoras, pedagoga, psicóloga, médica pediatra, enfermeira e nutricionista, contou com o reforço da Turma do Sesinho  para receber a todos com muita festa, deixando pais e crianças mais tranquilos em seu primeiro dia de aula.

Comente esta notícia
Pular para a barra de ferramentas