Publicada em 1 de dezembro de 2017 às 4h11

SESI busca soluções para questão da água em Torneio de Robótica

Em busca de soluções inovadoras para melhoria do ciclo humano da água, 27 equipes com pelo menos 200 estudantes de escolas públicas e particulares da região deram início nesta sexta-feira (1º), no Clube do Trabalhador do Amazonas, bairro São José, zona Leste de Manaus, à etapa regional Norte do Torneio de Robótica FIRST® LEGO® League (FLL). A programação prossegue neste sábado (2), das 8h às 17h, com a definição das equipes que vão para o torneio nacional, em Curitiba (PR), em 2018.

Nessa edição, as equipes trabalham com o tema Hidro Dynamics (Hidrodinâmica), com o desafio de identificar um problema na maneira como as pessoas obtêm, transportam, armazenam, usam e reutilizam a água. A partir daí, cada equipe precisa desenvolver uma solução inovadora.

Uma das atividades mais aguardadas pelo público é o Desafio do Robô, onde os estudantes utilizam robôs autônomos com tecnologia LEGO® Mindstorms® para cumprir as missões na mesa de competições. Cada equipe tem 2 minutos e 30 segundos para cumprir até 15 missões. Nessa edição, há atividades, como remover um cano quebrado, virar tampas de bueiro e mover bombas de água.

Participam do torneio regional, 21 equipes do Amazonas, duas de Rondônia, três de Roraima e uma do Amapá, formadas por alunos do ensino fundamental e médio. Cada equipe é formada pelo mínimo de dois e no máximo 10 integrantes.

Do SESI participam 12 equipes, entre elas a equipe Hidrorobóticos, formada por alunos do 5º ano da Escola SESI Dra. Êmina Barbosa Mustafa. Com o tema “Escola Sustentável: Uso e reutilização da água dos bebedouros da escola”, os três integrantes chamam atenção para o desperdício da água. “O problema encontrado nas escolas é o desperdício nos bebedouros que enchem muitas garrafinhas e essa água é descartada quando esquenta. A solução seria armazenar a água retirada do bebedouro e não consumida em depósitos móveis com rodas para ser reutilizada na limpeza da escola”, afirma Natalie Sales, de 10 anos.

A equipe World Doctors, do Instituto Federal do Amazonas (Ifam) trouxe para a competição o projeto “Sistema de Tratamento da Eutrofização em Lagoas – STEL”. Segundo o estudante Marcos Vinícius Martins, 18 anos, eutrofização é um problema muito recorrente nos igarapés da cidade. “A nossa proposta é trabalhar com uma toxina que degrada as algas eutrofizadas (que formam aquela camada verde nos igarapés poluídos), através de um protótipo de um barco que a nossa equipe montou e vai liberando aos poucos essas toxinas para o combate à degradação do ambiente”, afirma o estudante.

Entre as 27 equipes, encontra-se uma equipe de garagem, grupo formado por amigos não da mesma escola, mas com um objetivo em comum, no caso, trazer soluções inovadoras para problemas da vida real. De Itacoatiara, a equipe Mechatronic Amazon trouxe para a competição o projeto “Clean Water”, com criação de uma máquina que limpa água suja dos rios ou ruas, para utilizar no dia a dia.

“O nosso projeto consta de um cano com um filtro onde colocamos microfibras da folha da bananeira e carvão mineral que agem na purificação da água, e, após o teste microbiológico, foi comprovado que ela serve para consumo humano”, conta o integrante Hugo Daniel, 15 anos.

Durante a abertura do Torneio, a superintendente regional do SESI Amazonas, Rosana Vasconcelos, disse que a instituição busca estimular o interesse dos seus alunos pela robótica e, consequentemente, pelas novas tecnologias, visando melhoria do mundo. Daí, porque o SESI se tornou, desde 2013, o operador oficial do evento, através de uma parceria do SESI Nacional com a organização norte-americana FIRST (For Inspiration and Recongnition of Science and Technology) e o grupo dinamarquês LEGO Education.

O torneio segue até às 17h deste sábado, com o anúncio das equipes vencedoras.

Comente esta notícia
Pular para a barra de ferramentas