Publicada em 27 de maio de 2019 às 2h43

FIEAM e CIEAM celebram resultados da Indústria

A Recofarma Indústria do Amazonas vendeu para o mercado exterior, em 2018, um volume de 7,6 mil toneladas de concentrados, o que gerou receita acima de R$ 718 milhões. Esse resultado, junto com a garantia de manutenção dos investimentos no Polo Industrial de Manaus, foi exaltado pelo vice-presidente de Finanças do Grupo Coca-Cola Brasil, Alexandre Fernandes, ao receber, na última sexta-feira (24), no evento Mérito Industrial 2019, o diploma de Empresa Exportadora do Ano, concedido pela Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM).

Esse foi o oitavo ano consecutivo em que a Recofarma fez jus ao título por liderar o ranking dos maiores exportadores do PIM, de acordo com o relatório do Sistema COD Brasil, do Centro Internacional de Negócios (CIN). Na cerimônia, a FIEAM, junto com o Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM), homenageou com o título de Industrial do Ano o empresário Roberto Graziano, da Magnum Indústria da Amazônia S/A, e com o título de Microindustrial Destaque do Ano, o empresário e pesquisador Schubert Pinto, da Pharmakos D’Amazônia. O desembargador Flávio Pascarelli foi homenageado com a Medalha do Mérito Industrial ‘Moysés Israel’.

Em evento que celebra personalidades e empresas que trilham caminhos de sucesso contribuindo para o desenvolvimento do Amazonas e do Brasil, o presidente da FIEAM, Antonio Silva, ressaltou a necessidade de redução dos gargalos que dificultam os ambientes dos negócios, no caso especifico do estado, a despeito da recente vitória obtida no Supremo Tribunal Federal (STF), quanto às garantias constitucionais do modelo Zona Franca de Manaus (ZFM).

“Paralelo a importante e urgente pauta da reforma da Previdência, pilar para reduzir o déficit do setor público, vamos nos deparar com a reforma tributária, igualmente importante para tornar o país mais competitivo e justo. Vamos precisar da união da sociedade e dos nossos representantes no parlamento, junto com as entidades do setor produtivo”, disse, “para evitar que a vital simplificação tributária retire as vantagens comparativas do modelo de desenvolvimento exemplar, que contribuiu para reduzir as diferenças econômicas e sociais do Brasil e que ajuda a preservar a nossa floresta”.

Ao parabenizar a Recofarma, o prefeito de Manaus, Arthur Neto, falou sobre a empregabilidade gerada na região pela empresa, com mais de 10 mil postos de trabalho diretos e indiretos, que beneficiam, principalmente, os trabalhadores do interior que, segundo ele, se houver apoio sistêmico das entidades governamentais que tenham ligação com a exportação, poderia deslanchar, realmente, a partir dessa vitória recente no STF.

Com a produção anual de 32 mil toneladas de concentrado de bebidas por ano, que geram mais de 10 bilhões de litros de bebidas finais para os consumidores do Brasil e da América Latina, em diversos segmentos de bebidas não alcoólicas, o vice-presidente de Finanças da Coca-Cola Brasil, Alexandre Fernandes, reafirmou o compromisso na continuidade de crescimento com o país e no apoio ao modelo ZFM. Fernandes disse ainda que o Grupo pretende investir no Brasil em torno de R$ 100 milhões nos próximos anos.

“É bem verdade que no último mês de abril obtivemos importante decisão, no âmbito do STF que chancela o inalienável direito constitucional do crédito de IPI para as indústrias instaladas na ZFM. A decisão aumenta o grau de segurança jurídica para o setor produtivo, mas não é suficiente”, ressaltou ele, acrescentando que, mais do que nunca, se faz primordial a união e trabalho em conjunto, entre os diversos atores do governo do estado junto ao setor privado que aqui atua.

“Empresas que sonham, firmam metas e trilham caminho do sucesso”

O empresário Roberto Graziano, eleito Industrial do Ano 2019, relembrou que nos últimos 30 anos, período em que criou a Magnum Indústria da Amazônia, foram criados muitos empregos, gerado impostos e benefícios sociais que contribuíram substancialmente para o desenvolvimento da região. “Tenho orgulho de ter participado e contribuido ativamente desse processo de desenvolvimento da Amazônia”, disse ele.

Graziano, que recebeu a placa das mãos do presidente da FIEAM, Antonio Silva, acompanhado do deputado Marcelo Ramos e do general do Exército, Cesar Nardi, dedicou o título aos 650 colaboradores do Magnum Group, no PIM, integrado também pela MG Gold Indústria da Amazônia Ltda, e aos 250 da matriz em SP. “Receber este prêmio me deixa muito lisonjeado, mas aumenta a minha responsabilidade em representar esta categoria da nossa economia, geradora de enormes riquezas em nosso país”, disse ele.

O farmacêutico Schubert Pinto, que há 18 anos iniciou a sua empresa no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), foi o Microindsutrial do Ano 2019. A empresa genuinamente amazonense, familiar, de base tecnológica com foco na inovação, transforma os recursos da biodiversidade amazônica em produtos da cosmética, alimentos encapsulados e perfumaria.

“De maneira especial quero agradecer à FIEAM pelo reconhecimento do nosso trabalho e ao CIDE por ter acatado nossa ideia e aprovado nosso plano de negócios, que culminou com o nascimento e consolidação da Pharmakos D’Amazônia. Agradeço também ao CIN pelas oportunidades que nos fizeram colocar nossos produtos no exterior”, disse ele dedicando o título aos filhos que hoje estão à frente da empresa, Schubert Pinto Júnior e Samara Rodrigues.

“É também por este legado que desejo um dia ser lembrado”

Agraciado com a medalha que leva o nome do empresário Moyses Benarrós Israel (1924-2016), o desembargador Flávio Pascarelli agradeceu e relembrou emocionado o legado deixado pelo não somente empreendedor e incentivador social do estado, mas segundo ele, um exemplo a ser seguido de preocupação com a educação, que impactou fortemente na melhoria do ensino superior do Amazonas.

“Acredito que ao se investir na educação e melhoria contínua do processo de formação dos cidadãos, vamos efetivamente impactar em todos os outros segmentos- na indústria, no comércio, na saúde, enfim, cumprir exatamente o papel que esta importante Federação sempre buscou: o desenvolvimento da livre iniciativa, do segmento empresarial industrial, mas, sobretudo, de contribuir para o crescimento em todos os aspectos: econômicos, sociais, políticos, educacionais, tecnológicos, culturais, ambientais e sustentáveis”, disse Pascarelli.

Comente esta notícia
Pular para a barra de ferramentas