Publicada em 10 de maio de 2019 às 4h22

Embaixadora quer ampliar relações de EL Salvador com ZFM

El Salvador pretende ampliar relações comerciais com o Brasil, especialmente nas áreas de agroindústria, aeronáutica, energia, manufatura leve, serviços empresariais remotos, têxtil e vestuário, turismo e offshore. O anúncio foi feito pela embaixadora de El Salvador, Diana Vanegas, em reunião com o vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), Nelson Azevedo.

A principal política implementada para abrir a economia do país ao comércio e investimentos globais, de acordo com Vanegas, foi a adoção do dólar americano como moeda legal desde 2001. “Como resultado, El Salvador alcançou taxas de inflação de um dígito por mais de uma década, permanecendo abaixo da média para o resto dos países latino-americanos”, relatou a diplomata.

Além disso, Vanegas destacou que a eliminação do risco cambial reduziu as taxas de juros reais e proporcionou maior segurança aos investidores. “As empresas que investiram em El Salvador se beneficiam de menores custos financeiros e de transação”, garantiu.

Com estratégias para desenvolver melhorias na política de segurança do país, a embaixadora assegurou que, comparado aos anos anteriores, houve melhorias, mas ainda é um desafio diário a ser minimizado.

Nelson Azevedo disse que El Salvador tem uma posição geográfica  privilegiada e estratégica para negócios, com boas oportunidades de ampliação das relações industriais e comerciais com o Polo Industrial de Manaus (PIM).

O país possui 17 Zonas Francas e parques de serviços destinados a empresas dedicadas a produção e exportação de bens ou serviços. De acordo com Vanegas, esses parques industriais oferecem os serviços necessários para operar com eficiência, como também incentivos fiscais atraentes para os investidores, além da localização estratégica e fácil acesso à infraestrutura competitiva.

“Nossa lei de zonas francas oferece incentivos fiscais generosos para empresas de manufatura orientadas para a exportação localizadas em Zonas Francas ou Depósitos para Melhoria Ativa (DPA)”, disse e acrescentou que hoje as zonas francas estão estratificadas ao longo de todo o território.  

O gerente do Centro Internacional de Negócios (CIN Amazonas), Marcelo Lima, afirmou que uma visita a El Salvador pode ser agendada para promoção de investimentos entre os dois países. “Com o trabalho da Rede de Centros Industriais (CIN), em vários estados do Brasil, como São Paulo, Rio Grande do Sul e Ceará, podemos definir uma missão internacional ao El Salvador para conhecer os atrativos para as empresas no país”, disse.

A reunião contou também com a presença do cônsul honorário de El Salvador em Manaus, Amilcar Baires, e da ministra conselheiro da Embaixada da República de El Salvador, Marcela Renderos.

 

Comente esta notícia
Pular para a barra de ferramentas