Publicada em 5 de abril de 2019 às 2h59

FIEAM recebe delegação da União Europeia para discutir relações comerciais

A biodiversidade da Amazônia, com áreas ainda pouco exploradas, foi apresentada pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas, Antonio Silva, como grande oportunidade de negócios para novos investidores. A proposta foi feita aos países da Delegação da União Europeia, na última quinta-feira (4), na sede da FIEAM, em seminário do Programa de Imersão na Indústria para Diplomatas, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), por meio da Rede CIN (Centro Internacional de Negócios).

“Estamos de portas abertas para auxiliar na implantação de novos negócios no Amazonas, com gestões necessárias no campo governamental de forma a diversificarmos cada vez mais o nosso parque industrial e, ao mesmo tempo, estreitarmos os laços com a União Europeia”, disse Silva, ao reforçar que a atração de investimentos é vital para o Polo Industrial de Manaus (PIM).

Para o presidente da FIEAM, as oportunidades de negócios entre  Amazonas e União Europeia, tema central do seminário, passam por atrativos que vão do setor de fármacos ao de biocosméticos, tendo como matéria-prima a rica biodiversidade da floresta amazônica. Silva explicou que o PIM é formado por companhias globais e de alta tecnologia que demandam recursos humanos qualificados com elevada autorização para atingir a produtividade exigida pelos mercados.

Sob o comando do chefe da Seção de Assuntos Comerciais, Michele Villani, a delegação europeia foi formada por representantes da Espanha, Eslováquia, Itália, Suécia, Bélgica, Croácia, Islândia, Alemanha e Países Baixos. Segundo Villani, a União Europeia acredita que a prosperidade dos seus 500 milhões de cidadãos se dará olhando para além das suas fronteiras, caso contrário, estariam virando as costas aos 90% do crescimento da economia mundial, o qual nos próximos anos se registrará fora da Europa.

“O comércio livre e responsável é importante para o crescimento econômico e a criação de empregos. São 31 milhões de postos de trabalho, ou seja, um em cada sete postos de trabalho na União Europeia depende direta ou indiretamente das exportações para o resto do mundo. Neste contexto, é evidente que o relacionamento econômico que temos com o Brasil é de absoluta importância para a União Europeia”, afirmou ele.

Burocracia

De acordo com o empresário Schubert Pinto, da Pharmakos D’Amazônia, uma das grandes dificuldades na hora de exportar seus produtos é a burocracia nos trâmites com a Europa, tanto que, sem a ajuda da Suframa seria quase impossível a entrada desses produtos nos países europeus. “Nós temos plenas condições de entrarmos na União Europeia, mas para isso, precisamos do apoio da Suframa”, frisou o empresário.

O coordenador geral de Comércio Exterior da Suframa, Luiz Frederico de Aguiar, disse que a Suframa está passando por mudanças e, com toda certeza, juntamente com o CIN irá atuar e ajudar empresas como a Pharmakos em suas exportações, já que são as alternativas da indústria local que contribuem para o crescimento econômico do Amazonas.

“Passaremos a participar das negociações dentro e fora do Mercosul, exatamente para possibilitar que as Zonas Francas não fiquem fora de acordos internacionais, possibilitando, por exemplo, que empresas como a Pharmakos, tenham acesso ao mercado europeu”, disse Aguiar.

O secretário de Planejamento do Estado do Amazonas (Seplancti), Jório Veiga, disse que para diversificar a economia o governo pretende trabalhar outras áreas de desenvolvimento, como mineração, biodiversidade e turismo, além das vantagens da Zona Franca de Manaus (ZFM). “Diversificar a economia e fortalecer o PIM são linhas mestras da política econômica delineada pelo novo Governo do Estado do Amazonas”, frisou Veiga.

Realizado em dois dias, o Seminário contou com a participação de conselheiros comerciais dos países membros da União Europeia com interesse nas áreas de exportação e importação, e no conhecimento das especificidades regionais da indústria brasileira, e em iniciar uma interação com representantes governamentais regionais, além de obterem maior conhecimento para estabelecer futuras parcerias comerciais.

Nesta sexta-feira (5), os participantes fizeram uma visita às instalações do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), onde conheceram os principais projetos da instituição. O encontro na FIEAM foi encerrado com almoço para apresentação de negócios locais pelos microempresários de empresas, como Pharmakos D’Amazônia, Na’kau, entre outras.

Comente esta notícia
Pular para a barra de ferramentas