Publicada em 25 de fevereiro de 2019 às 11h48

SENAI oferece formação profissional para polo naval de Novo Airão

O tecnólogo naval Carlos Correia mostra projeto de barco regional de sua autoria

O projeto para reestruturação do polo naval de Novo Airão encheu de entusiasmo o tecnólogo naval Carlos Correia, 50, formado pela primeira e única turma de tecnologia em construção naval, aberta no município pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), em 2009. O projeto também abriu outras perspectivas de formação de mão de obra por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI Amazonas).

Carlos Correia, que atualmente atua na Record, certificadora de embarcações, foi um dos 43 tecnólogos navais formados pela UEA que atenderam ao convite para participar do lançamento do Programa Emergencial para Geração de Emprego e Renda no interior, proposto pelo Sindnaval à Prefeitura de Novo Airão e Governo do Estado, em reunião, na última quinta-feira, 21, na Câmara Municipal do município.

Com mais de 50 projetos de construção de barcos e balsas  no currículo, Carlos lamentou o encerramento do curso  de tecnologia naval após a formatura da primeira turma, em 2013, e vê com esperança o ressurgimento do polo local. De acordo com o professor Alex Monteiro dos Santos, 37, da UEA, que ajudou a formar e continua acompanhando os egressos daquela primeira turma, diz que o curso foi importante e deveria ter tido continuidade, tanto que deu origem ao curso de engenharia naval, lançado em 2013 por aquela instituição.

Na formação de mão de obra qualificada para o polo, um dos principais parceiros do Sindnaval virá do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, por meio da Escola SENAI de Ações Móveis e Comunitárias. Na reunião, o gerente  Teodório Filho disse que a escola  já vem atuando na maioria dos municípios do Amazonas e de outros Estados da região por meio de suas unidades móveis – terrestres (carretas) e fluviais (os barcos-escolas Samaúma), através de cursos das áreas de alimento, energia, gestão, madeira, transporte e meio ambiente.

 

Comente esta notícia
Pular para a barra de ferramentas