Publicada em 13 de dezembro de 2018 às 12h38

Juros poderão voltar a subir a partir do segundo semestre de 2019, estima CNI

A decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) de manter dos juros básicos da economia em 6,5% ao ano está dentro das expectativas da Confederação Nacional da Indústria (CNI). A previsão da indústria é que a taxa se mantenha neste patamar nos próximos seis meses, pois tudo indica que, diante da recuperação moderada da economia e do elevado desemprego, a inflação continuará abaixo da meta fixada pelo Banco Central.

Os juros baixos, lembra o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, são cruciais para estimular o consumo das famílias e os investimentos das empresas. No entanto, a manutenção das taxas a partir do segundo semestre de 2019 dependerá do avanço das reformas, especialmente a da Previdência Social, e do equilíbrio das contas públicas. Em um cenário favorável ao andamento das reformas, a elevação dos juros poderá ser desnecessária.

“A redução dos gastos públicos, o corte dos desperdícios, a melhor gestão dos programas e a reforma da Previdência Social, além de garantir a credibilidade das políticas fiscal e monetária, teria um efeito multiplicador na economia”, diz Robson Andrade.

Na edição especial do Informe Conjuntural – Economia Brasileira, divulgado nesta quarta-feira, 12 de dezembro, a CNI estima que os juros básicos da economia subam até 1 ponto percentual a partir do segundo semestre e feche 2019 em 7,5% ao ano. A inflação deve ficar em 4,1%, abaixo da meta de 4,25% fixada para o próximo ano.

 

ATENDIMENTO À IMPRENSA
Superintendência de Jornalismo da CNI

(61) 3317-9578 / 9895
imprensa@cni.com.br

SITE
http://www.portaldaindustria.com.br/

REDES SOCIAIS
https://twitter.com/CNI_br
https://www.facebook.com/cnibrasil
http://www.youtube.com/user/cniweb

IMAGENS
https://www.flickr.com/photos/cniweb/

Comente esta notícia
Pular para a barra de ferramentas